Notícias

Ética e corrupção em debate no Fogesp
 
07/05/2018
 
Tema será discutido por Jorge Caldeira. Segundo ele, para dar um salto de desenvolvimento, o Brasil precisa focar suas atenções para a economia renovável.


Falta pouco mais de um mês para o Fórum CFA de Gestão Pública. O evento, promovido pelo Conselho Federal de Administração (CFA), reunirá vários especialistas para discutir temas ligados à gestão pública não só para superar as contingências do presente, mas também para construir uma plataforma para o futuro. Um dos nomes confirmados no Fórum é o do escritor, Jorge Caldeira. Ele é doutor em Ciência Política, mestre em sociologia e bacharel em Ciências Sociais pela Universidade de São Paulo. Ele é autor de vários livros, sendo o mais recente “História da riqueza do Brasil”. A obra, que figurou na lista dos mais vendidos da revista Veja por várias semanas, é o resultado de estudos de mais de três décadas sobre a história econômica do país.

No Fórum, Caldeira vai falar sobre ética e corrupção. Em entrevista para o site do CFA, ele toca em assuntos importantes como governança, eleições e economia. Para ele, o país precisa focar suas atenções para conter as emissões de carbono e a energia renovável para ter um salto de desenvolvimento.

Confira a entrevista na íntegra.



Jorge, afinal, quais são os principais vilões da governança?

Não são propriamente vilões, mas necessidades imperiosas. Hoje o principal problema nacional é o de saber como inserir o Brasil numa ordem econômica global – e que tem data marcada (2030) para as primeiras grandes transformações na direção de uma economia limpa, isto é, de baixo carbono. As instituições brasileiras estão mal preparadas para lidar com essas duas características.

Você acredita que ainda é possível vencer esses vilões?

O Brasil tem tudo para se desempenhar bem nos dois casos. No primeiro: é uma nação democrática e globalizada por dentro, isto é, com sociedade aberta. No segundo: já tem uma matriz energética limpa, além de ter um dos maiores potenciais mundiais para energia renovável (solar, hídrica, eólica, biomassa). Se a nação se orientar na direção desses objetivos, o país dará um salto rápido de desenvolvimento.

Muitas pessoas, quando se referem a políticos envolvidos com corrupção, soltam a máxima “rouba mas faz”. A falta de ética não estaria impregnada na própria sociedade e esses problemas que vemos na gestão pública seriam, portanto, apenas reflexo dessa sociedade?

Existe um crescente emperramento nas relações entre Estado e Sociedade no Brasil. Boa parte dele se deve ao fato de que os novos objetivos mundiais exigem uma integração entre essas partes que vai muito além da tradicional. O objetivo de conter emissões de carbono, por exemplo, é impossível de ser atingido sem uma total complementaridade de esforços do Estado e da Sociedade. A separação tradicional entre público e privado já não faz sentido quando se trata de seguir metas como essas.

Com relação ao serviço público, muitos servidores comentam que o próprio meio corrompe as pessoas. Como você enxerga essa realidade?

Como algo a ser mudado rapidamente. É preciso desemperrar as relações entre governo e sociedade, substituindo as suspeitas mútuas pela confiança.

Muitos dos desmandos políticos são originados da relação promíscua entre Estado e as grandes corporações. Como frear essa relação para que o interesse público venha, de fato, a ser prioridade na gestão pública?

O sistema político numa democracia é, tecnicamente, um intermediário que recolhe desejos do eleitor soberano na Sociedade, transforma o desejo da maioria em ações do Estado e mantém no poder os representantes da maioria. A falência atual eventualmente pode sugerir que essas relações, moldadas nas instituições vigentes, talvez tenham perdido eficiência na transmissão de esforços entre as duas partes para levar adiante o todo da Nação e precisem ser redesenhadas.

Estamos em ano de eleições. Com as recentes crises no cenário político e a pressão da sociedade, você acredita que as coisas possam a começar a mudar?

Tecnicamente, a eleição é o momento no qual o eleitor soberano indica o caminho a ser seguido. Se a indicação for claramente no sentido da mudança, as probabilidades de ela acontecer aumentam muito.

O Brasil tem uma tradição de patrimonialismo - na qual o bem público é confundido com o particular - que se apropria e toma posse do que não é seu. Isso pode caracterizar crime de peculato, como na atual discussão envolvendo Eduardo Azeredo, do chamado mensalão mineiro. Como combater esse comportamento?

Os termos da pergunta são indicativos de um tema histórico. A oposição entre “público” e “particular” era a empregada nos tempos do Império. A Coroa era pensada como uma soberania que representaria o “público” e o eleito no poder seria o representante de interesses dos “particulares”. A partir da República, com a supressão do poder dinástico, começou a valer tardiamente no Brasil a oposição entre uma nova noção de “público” – aquilo que todos devem obedecer em virtude da lei – e “privado” – o espaço da liberdade do indivíduo, para além da ação estatal. Certamente uma herança, mas que eventualmente não ajuda na construção de um novo futuro, no qual se exige maior complementaridade de relações.



Assessoria de Comunicação CFA
Promoção e Realização
Patrocínio
Apoio Institucional

Fale Conosco

Contato

Fone

+55 61 3218-1800

Secretaria

Câmara de Gestão Pública - CGP/CFA

SAUS Quadra 01 Bloco L - Ed. CFA

70.070-632 - Brasília/DF

+55 61 3218-1842  (8h30 às 18h - segunda à sexta-feira)

fogesp@cfa.org.br